RSS

Pipoca com Manteiga – O Contador de Histórias

22 nov

 

“O Contador de Histórias’, filme de LuizVillaça baseado na vida do mineiro Roberto Carlos Ramos, é a história de como o afeto pode transformar a realidade. Caçula entre dez irmãos Roberto desde cedo demonstra um talento especial para contar histórias, transformando, com a narrativa, suas próprias experiências de frustração em fábulas cativantes. Aos 6 anos, o menino cheio de imaginação é deixado pela mãe em uma entidade assistencial recém-criada pelo governo. Ela acredita estar, assim, garantindo um futuro melhor para seu filho. A realidade na instituição é diferente do que se promovia pela propaganda na TV e Roberto, aos poucos, perde a esperança. Aos treze anos, após incontáveis fugas, ele é classificado como irrecuperável, nas palavras da diretora da entidade. Contudo, para a pedagoga francesa Margherit Duvas (Maria de Medeiros), que vem ao Brasil para o desenvolvimento de uma pesquisa, Roberto representa um desafio. Determinada a fazer do menino o objeto de seu estudo, tenta se aproximar dele. O garoto em princípio reluta, mas, depois de uma experiência traumática, procura abrigo na casa de Margherit. O que surge entre os dois é uma relação de amizade e ternura, que porá em xeque a descrença de Roberto em seu futuro e desafiará Margherit a manter suas convicções.”

Filme brasileiro marcando presença aqui no Caracol hoje.

O Contador de Histórias é a biografia de Roberto Carlos Ramos que é um dos contadores de histórias, brasileiro, mais conhecidos, tanto nacional quanto internacionalmente.

O filme é muito bonito. Tem bastante desgraça mas é bonito, você as vezes ficará com muita raiva do piá a ponto de querer espancá-lo até aprender a se comportar direito mas as vezes você vai ficar com um aperto no peito e com vontade de adotá-lo. 

Uma das coisas mais marcantes é saber que tudo aquilo realmente aconteceu. É isso que deixa o filme mais emocionante, na verdade, você sabe que o garoto em questão passou por tudo aquilo que ficamos tomando conhecimento no filme.

Acho que o objetivo maior do longa-metragem não foi fazer uma critica ao governo brasileiro e nem as políticas públicas, mas, em alguns momentos, o descontentamento com as políticas brasileiras ficam muito evidentes, mesmo esse não sendo o foco principal do filme.

Não recomendaria esse longa-metragem para quem só busca uma opção de lazer. Ele é chato se for assim, é um filme para você assistir para conhecer a vida do cara, o entretenimento, nesse caso, ficou em segundo plano. Na verdade, esse filme é muito utilizado por professores e pedagogos para exemplificar a profissão que cabe a eles.

Teve várias coisas que achei interessante no filme e uma das que eu, realmente, gostei é que em toda a história você não encontra nenhum culpado pelas desgraças do menino. Claro que tem aquelas pessoas que não contribuíram, em momento algum, para que a vida dele se torna-se melhor e tem aqueles que tornaram a vida dele um inferno, mas, ao assistir o filme, você não consegue identificar o protagonista culpando alguém. Ele expõe as ações dos participantes mas de forma imparcial e completamente honesta, de maneira que nós, que estamos assistindo, conseguimos perceber que, a maioria das pessoas que não ajudou, não fez isso por vontade própria ou só por fazer; percebemos que as opções que eles tinham não eram tão amplas e que não se sentiam capazes de mudar a vida do garoto.

Achei isso muito interessante, não culpar ninguém, tentar entender os motivos das outras pessoas e isentá-las de julgamentos. Na verdade, acho que foi por isso que escolhi esse filme para o Caracol hoje. Ultimamente eu estou correndo atrás de tanta coisa e tem muita gente torcendo a favor mas sei que tem gente torcendo contra também (isso acontece em todos os lugares do mundo) e, de vez em quando, eu encontro uma pessoa que não esta disposta a mover um músculo para ajudar, pelo contrário, quer mais é dificultar e isso me deixa tão frustrada e desanimada. O mundo seria um lugar melhor se as pessoas estivessem mais dispostas a se ajudar e entender os motivos uma das outras, por exemplo, por questões burocráticas eu entendo que, as vezes, a pessoa não possa me ajudar, mas não entendo a recusa de passar informações e nem de ficar completamente alheia à minha situação.

Enfim, independente de tudo, acho que O Contador de Histórias é uma ótima maneira de nos fazer perceber que, as vezes, você dedicar um minuto para tentar entender os conflitos da outra pessoa pode fazer uma grande diferença em qualquer situação da nossa vida e que, fazendo isso, não vai cair nenhum pedaço seu no chão, muito pelo contrário.

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em novembro 22, 2012 em Filmes

 

Tags: , , , , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: